A AUTONOMIA versus o microgerenciamento

Tempo de leitura: 1 minuto

O microgerenciamento é um copo de veneno que está na mesa de todos nós gestores, do qual, de vez em quando, tomamos um prazeroso gole, que nos faz sentir importantes, imprescindíveis e amados. 

Em outras palavras, é uma droga!

Os antídotos são a delegação (sua) e a autonomia (da equipe). Não é fácil se desvencilhar daquilo nos dá prazer, você vai precisar de método e consistência. Veja a seguir algumas dicas, usando a abordagem direta do Management 3.0 / Happy Melly para conseguir delegar mais e melhor. Veja abaixo:

Delegação e Autonomia
Infográfico_autonomia

O que queremos mostrar aqui é que o processo fala alto quando se quer mudar comportamento. A repetição, a estrutura e os ritos ajudam a moldar novas atitudes, mas, garanto que nada disso acontece se não houver relações minimamente maduras entre gestor e equipe. Vale ainda se atentar à parte do infográfico que diz:

“Mas não se engane! Nem todo mundo gosta de autonomia. Tem muita gente que prefere bater carimbo do que tomar decisões, portanto, contrate certo e desenvolva!”

Você pode ler um pouco mais sobre maturidade nas empresas nestes dois “posts”.

A empresa onde você trabalha é adulta?

Empresas, Adultos, Crianças e Brinquedos – como perceber a maturidade de gestores e equipes

Se quiser falar um pouco sobre Autonomia e como ela impacta o ENGAJAMENTO, fale com a gente. Vai ser um prazer!

Um abraço.
Alvaro Mello
alvaro.mello@carvalhoemello.com.br
www.carvalhoemello.com.br

FOTO BY NASA VIA UNPLASH

1 comentário

  1. Avatar

    Álvaro, é sempre uma satisfação ler suas publicações e refletir. Sempre tão coerente e direto ao ponto, sem rodeios e sem delongas. Sair do microgerenciamento é um grande desafio a depender da cultura organizacional, principalmente se for um modelo top down… mas entendo ser um ato de confiança das lideranças com as equipes para se desvencilhar dessas “amarras” que impedem as pessoas de se desenvolverem e mostrarem do que elas são capazes, contribuindo com a própria organização.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *